Open/Close Menu Farmácia de Manipulação em Porto Alegre

A gestação é um período que necessita ser avaliado com atenção especial, na medida em que envolve diversas alterações físicas, hormonais e psíquicas que podem interferir tanto em curto quanto longo prazo na saúde materna e fetal.

O acompanhamento do profissional nutricionista durante o pré-natal tem como objetivos garantir boa evolução em gestantes de baixo risco e identificar precocemente as gestantes com maior risco de evolução desfavorável – uma vez que a gravidez é considerada o estado de maior vulnerabilidade nutricional, e a nutrição da gestante é decisiva para o curso gestacional.

Nessa fase da vida da mulher, ocorrem alterações fisiológicas e metabólicas importantes, como o aumento da demanda de energia e nutrientes decorrente do crescimento e desenvolvimento fetal, da formação e manutenção da placenta, da formação de novos tecidos e do armazenamento de gordura pela mãe e pelo feto. Dessa forma, as gestantes estão mais suscetíveis à inadequação nutricional, o que torna fundamental a orientação adequada e personalizada para garantir a saúde tanto da mãe como do feto.

Uma mãe bem nutrida é capaz de fornecer todos os nutrientes necessários e pode proporcionar as condições ideais para o desenvolvimento de seu filho. Um desajuste alimentar intraútero pode levar a disfunções tanto no nascimento quanto na fase adulta, como a maior tendência à obesidade, diabetes, hipertensão arterial. Além disso, mantendo uma alimentação equilibrada, a mãe pode diminuir os riscos de complicações na gestação, como ganho de peso excessivo, diabetes gestacional e hipertensão, além de modular a presença de desconfortos típicos do período, como náuseas, vômitos, refluxo gastroesofágico, constipação intestinal.

As necessidades de grande parte dos nutrientes encontram-se aumentadas na gestação. Os nutrientes que precisam de atenção especial são: ácido fólico, ferro, cálcio, vitamina D e ômega 3. Após adequar a ingestão dos alimentos que contenham esses nutrientes, deve-se avaliar se há ou não necessidade de suplementação.

A deficiência de ácido fólico compromete a divisão celular e a síntese proteica. Observa-se que a deficiência desta vitamina está associada à prematuridade, baixo peso ao nascer e defeitos do tubo neural. A recomendação de ácido fólico na gestação é de 600 µg por dia.

As baixas reservas de ferro pré-concepcionais e a elevada necessidade do mineral em função da formação dos tecidos maternos e fetais podem resultar em anemia ferropriva na gestação, que está associada à menor resistência a sangramentos, maior susceptibilidade a infecções, maior risco de parto prematuro e retardo de crescimento intrauterino, podendo levar à morte materna e perinatal. A recomendação de ferro na gestação é de 27 mg por dia.

O consumo adequado de cálcio na gestação é fundamental, pois este mineral está relacionado com a formação do esqueleto fetal e a manutenção da saúde óssea materna, além de ter função no sistema cardíaco. Durante a gestação, ocorrem mudanças no metabolismo desse mineral, incluindo aumento da taxa de utilização pelos ossos, diminuição do processo de reabsorção óssea e acréscimo da absorção intestinal. A recomendação de cálcio na gestação é de 1000 mg por dia.

Associa-se a deficiência de vitamina D com hipocalcemia neonatal, redução da mineralização óssea e aumento do risco de fraturas, uma vez que a vitamina auxilia na absorção do cálcio e do fósforo provenientes dos alimentos. Estudos recentes relacionam a deficiência na mãe com pré-eclâmpsia, resistência à insulina, diabetes gestacional, vaginose bacteriana e a deficiência no recém-nascido com raquitismo congênito, osteopenia, PIG (pequeno para a idade gestacional). A recomendação de vitamina D na gestação é de 5 µg por dia.

Os benefícios do ômega 3 incluem desenvolvimento cerebral, desenvolvimento visual, desenvolvimento cognitivo e comportamental, prevenção de parto prematuro e prevenção de pré-eclâmpsia. A recomendação na gestação é de uma dose adicional de 100 a 200 mg de DHA, além dos níveis recomendados padrão para adultos. 

O uso de probióticos durante a gestação tem sido recomendado com os objetivos de melhorar o processo digestivo e o funcionamento intestinal, melhorar a absorção dos nutrientes, fortalecer o sistema imunológico e prevenir infecções. Algumas opções são kefir, iogurtes, bebidas fermentadas e suplementos probióticos.